Crítica | Corra!: o angustiante terror de Jordan Peele

O racismo está presente na sociedade e, por mais que as “pessoas de bem” tentem negar esse fato, a questão é estrutural e se encontra em cada pedaço do cotidiano social. O cinema, enquanto linguagem artística completa, vem tratando desse tema com bastante esmero, com filmes que, mesmo em minoria, chamam a atenção e colocam o foco em um problema ignorado, varrido discretamente para debaixo do tapete durante anos. Em Corra!, Jordan Peele entrega, sem medo de errar na mão, um chocante filme que de tão angustiante faz o público rir de nervoso, literalmente.

Indicado na categoria de melhor filme, o longa traz em seu enredo um casal, no qual a namorada branca pretende levar o namorado negro para conhecer a sua família aparentemente não-racista. A premissa muito se assemelha ao filme de 1967 de Stanley Kramer, Adivinhe Quem Veio Para o Jantar, onde a filha de um casal importante leva o seu noivo para conhecer os pais que, aterrorizados ao ver que a filha se relaciona com um negro, tentam diminuir o rapaz, mas tudo o que conseguem é descobrir o quão maravilhoso ele é.  Em Corra!, Chris (Daniel Kaluuya) também é um rapaz maravilhoso, a diferença está na família da moça que fará muito mais do que simplesmente desacreditar o pretendente.

O longa embasa a sua força em dois fatores principais: o cinismo dos personagens que insistem em montar a cena de que tudo está bem, muito semelhante ao contexto social que insiste em repetir que o “racismo está na cabeça dos negros”, e a atmosfera claustrofóbica ao qual o personagem principal é submetido e que Jordan Peele é capaz de nos introduzir perfeitamente. Esses dois fatores somados geram uma sensação de desespero que nos faz repetir durante todo o filme “sai daí!’ – do título original “Get Out”.

553013f1eafb50a810d9d55d064a989b3269b268
Imagem divulgação – Corra!

Todos os personagens são construídos para gerar o mais absoluto incômodo. Enquanto a família se comporta como perfeitos liberais que votariam em Obama para um terceiro mandato, a comunidade local se porta como se tivessem saído de um vilarejo sulista do fim do século XIX, ao mesmo tempo que Rose (Allison Williams), a namorada transmite ao namorado e ao público um fio de extrema confiança. Ao mesmo tempo, podemos ver diversos clichês jogados na tela com a única intenção de incomodar. É dessa forma que o roteiro se constrói, mesmo dentro de uma previsibilidade, em um thriller potente, um dos mais bem elaborados dos últimos anos.

Peele é magistral ao prender o público em uma sequência de situações psicológicas que vão muito além do terror dos personagens, as cenas se instalam no público e se acumulam em uma onda de angústia que explode ao final. A queda sem fim ao qual Chris é submetido reflete em nossas próprias mentes, o desespero para retornar ao controle do corpo é visto nos olhares muito bem executados de Daniel Kaluuya, mas também é encontrado em nossos próprios pensamentos.

Corra! caminha do início ao fim em uma crescente de acontecimentos penetrantes que, em meio ao terror ocasionado por aquilo que podemos enxergar como absurdo, funciona como uma metáfora para outros eventos absurdos, porém considerados normais até pouco tempo, como a escravidão e o uso do povo negro como mercadoria – que ocorrem em pleno século XXI -, além de reviver pesquisas absurdas realizadas pela antropologia que davam aos negros o status de criminosos, pelo simples motivo de existir.

IMG_2870-1024x512
Imagem divulgação – Corra!

Jordan Peele mostra a sua competência ao conseguir mesclar o horror com a ironia de todo o filme que realmente seria cômico se não fosse trágico. Corra! é o reflexo moldado pela sétima arte de uma sociedade branca que ainda opera enquanto exploradora e escravizadora, que se esconde atrás da caridade e da filantropia e que oprime por meio de estereótipos e da mídia, gerando o medo, a ideia de incapacidade e perpetuando o racismo, e recebe o mérito e a sua indicação ao Oscar por conseguir ser um grandioso filme de terror sem precisar utilizar monstros irreais. Os monstros aqui, para variar, somos nós mesmos.

FICHA TÉCNICA:

  • Título: Corra! (Get Out)
  • Direção: Jordan Peele
  • Roteiro: Jordan Peele
  • Elenco: Daniel Kaluuya, Allison Williams, Lil Rel Howery, Bradley Whitford, Caleb Landry Jones, Stephen Root, Catherine Keener, Betty Gabriel, Marcus Henderson, LaKeith Stanfield, Erika Alexander, Zailand Adams

Um comentário em “Crítica | Corra!: o angustiante terror de Jordan Peele

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.