Empoderamento e autocuidado | 10 perfis de ilustradoras para seguir no Instagram

O Instagram, apesar de ser a rede social mais utilizada no planeta, com mais de um bilhão de usuários, é também a rede que mais causa problemas à saúde mental e isso não somos nós que estamos afirmando.

Uma pesquisa da Royal Society for Public Health, do Reino Unido, confirma que a rede é responsável por distorcer a imagem real do corpo humano, causando crises de autoestima, ansiedade e é um poderoso vetor negativo em casos de depressão.

Contudo, também no Instagram é possível encontrar uma série de perfis e publicações que tentam desconstruir a imagem da vida e do corpo perfeito. Entre eles, estão elas, as ilustradoras que trazem mensagens de amor próprio, empoderamento, autocuidado, liberdade feminina e diversos outros temas.

E não poderíamos deixar de divulgar essas mulheres aqui, afinal de contas, queremos que todas as redes estejam repletas de mensagens de superação e amor. Então não perde tempo e siga e apoie o trabalho dessas mulheres incríveis.

Yacunã Tuxá

A Yacunã Tuxá é ilustradora e mulher indígena e utiliza o seu lugar de fala para tratar desse tema. São ilustrações e mensagens que caminham lado a lado com temáticas ancestrais que permeiam também a contemporaneidade.

 

Ver essa foto no Instagram

 

🔥🏹 #indigenous #kritart #krita #ilustraciones #ilustration

Uma publicação compartilhada por Yacunã Tuxá (@yacuna.tuxa) em

Velcro

Esse perfil trata dos temas que permeiam a lesbianidade. Cômico, real e necessário, o perfil ajuda na aceitação de jovens – e também não tão jovens assim – mulheres lésbicas.

Movimento 1989

A artista visual baiana possui ilustrações sobre temas diversos em imagens que transbordam de tanta coisa a dizer.

Camille Pasquarelli 

A Camille Pasquarelli, mais conhecida como Inspire Outras, já conta com uma grande caminhada na rede e trabalha principalmente na questão do empoderamento e aceitação das mulheres. Cheinho de frases e ilustrações que acalmam a alma.

Ani Ganzala

Ani Ganzala cria ilustrações que vão desde gênero, sexualidade, lesbianidade, negritude, religiões africanas e mais. Tudo repleto de carinho e sensibilidade.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Bom dia comunidade! Estou aqui em São Paulo na missão do próximo sábado às 10 hs, estarei no @sesc24demaio, SALA 03, 6° andar, realizando um workshop sobre processos criativos em aquarela, a convite da residência artística @afrobaphooficial, como parte da programação da exposição integrada A Nordeste. Todas e todes são bem vindas! Bem vindes! #annieganzala #aquarela #artenegra #blackartists #watercolorart #instaarts #artecontemporanea #afropunk #afrobrazilian #blackwomanart #blackwomanisgod #blackfamilies #artefeminista #blackartists #artinsta #aquarelando #negrastatuadas #watercolorart #acquarello #artconcept #artcontemporain #artistsworldwide #decolonize #brazilianart #brazilianartist #blackart

Uma publicação compartilhada por Ani Ganzala – Kpitú 🇧🇷 👑 🌈 🏹 (@ganzalarts) em

Aline Santana

Aline Santana trabalha bastante a perspectiva do empoderamento, com ilustrações que podem ser sensíveis e também bastante ácidas.

Subloop

Representando a nossa região do sul, do sul, do sul, o perfil da Subloop tem belíssimas ilustrações que por si só já são capazes de alegrar o seu dia. Vale a pena conferir.

 

Ver essa foto no Instagram

 

sobre o reveillon….. . . . #meme #memes #art #arte #ilustracao #illustration #draw #satolep #pombo #charliebrownjr #skate #reveillon

Uma publicação compartilhada por Design e Ilustração (@subloop) em

Lari Arantes

Entre outras coisas muito interessantes da Lari Arantes, está a série Oráculo, que são ilustrações que possuem uma mensagem muito clara sobre determinado tema. Essas ilustrações lembram bastante as cartas de tarô, essas e outros trabalhos da ilustradora, você pode adquirir na loja que se encontra na bio do perfil.

 

Ver essa foto no Instagram

 

ORÁCULO // XXIV Quem muito evita a solidão Foge de si mesmo. . (sobre solidão, fuga, desconexão de si mesmo, insegurança, resistência a reflexões, relações construídas através do medo de ficar sozinho) . Solto no mundo, não sabia o que fazer de si. Precisava de um ombro amigo, na verdade mais do que isso: precisava de olhos, ouvidos, colo, um corpo inteiro no qual se apoiar. Não sabia dançar sozinho e não queria aprender. Queria ser conduzido por alguém. Uma pessoa, qualquer pessoa que se encaixasse minimamente nas suas proporções e o fizesse se sentir bem, seguro e amado. Se sentir amado era mais importante do que amar. Não lhe interessava muito mergulhar na outra pessoa; porque via a outra como uma base, um suporte para si mesmo. Uma escada, um batente, um acesso, uma mesa de cabeceira para apoiar suas faltas. Colecionava pessoas, acionava uma ou outra conforme a conveniência, mantinha uma cartela de opções para não correr o risco de ficar só. Pois este era o horror, o grande horror. Ficar sozinho era um encontro marcado consigo mesmo. O medo era tanto que visitava seus sonhos: era um espelho, eram dois espelhos, era uma sala inteira revestida de espelhos de forma que não pudesse fugir do próprio reflexo. Dançava em círculos, trocava de parceira e repetia os mesmos movimentos. Triste tentativa de fuga. No fundo sabia que era impossível fugir de si mesmo.

Uma publicação compartilhada por Larissa Arantes (@lariarantes) em

Sophia

Gênero, feminismo e lesbianidades, esses são os principais temas abordados por Sophia. Um feed cheio de luz e cores. Aqui vale destacar uma de suas séries, onde ela conecta os signos zodíaco com sapatos, abordando com muito bom humor estereótipos lésbicos.

 

Ver essa foto no Instagram

 

no domingo, tardamos mas não falhamos, e apresentamos mais duas espécimes de sapatonas: . . a sapatão artista, a própria canceriana, nem tinha aprendido a andar direito quando começou a riscar paredes. anda distraída pela rua, com uma mala imensa e os cadarços desamarrados. é provável que ela, a sapatão vegana e a sapatão lésbica futurista dividam um apartamento no centro. sabe recitar poesia de cor, fuma cigarros bolados e é a dj oficial do rolê. chega bem perto do seu ouvido e diz: seu corpo tem curvas que eu queria ter escrito. . . e a sapatão raiz. essa escorpiana nasceu careca e assim ficou. vez ou outra é possível encontrá-la com uma uma franjinha que vai só até o meio da testa, ala Lisbeth Salander. coturno preto, casacão de sarja verde-militar e um careta na mão, está sempre na manifestação mais próxima de você. ou numa roda de conversa. ou gravando um podcast. fogo nos fascistas, claro. de lambe em lambe, também vai te dar um lambe lá. . . e ai, lembrou de alguém? ft @eitamarmily

Uma publicação compartilhada por Sophia (@sophiandreazza) em

Bruna Romero

Em um estilo minimalista, a Bruna Romero aborda de uma forma bela e sensível questões como o autocuidado, empoderamento e amor próprio.

 

Ver essa foto no Instagram

 

♥️ obrigada pra quem tá aqui comigo ♥️

Uma publicação compartilhada por Bruna Romero (@brunafrog) em