Consciência Negra | 7 filmes para entender a importância dessa data

Estamos em 2019 e a visibilidade negra nos cinemas ainda é absurdamente pequena. Mesmo que nos últimos anos o cinema, principalmente a Academia de Artes Cinematográficas (o Oscar), tenha voltado um pouco o seu olhar para obras que tratem diretamente do racismo, ainda vemos constantemente a população negra sendo objetificada e estereotipada em filmes, inclusive, de bilheterias homéricas.

Mas tanto na direção, como na atuação esse panorama vem se modificando, onde diretores e diretoras, roteiristas, atrizes e atores negros conquistam o espaço e abordam brilhantemente assuntos relacionados (ou não) à negritude.

A escravidão no Brasil durou mais de 300 anos. Ao final, com a abolição, a população negra foi abandonada e literalmente jogada às margens da sociedade. Em 519 anos de Brasil, temos um país que ainda se vende e propaga branco e que opera um sistema balizado pelo racismo estrutural, um racismo que perpassa cada pedaço da vida humana em sociedade, desde a escola, passando pelos relacionamentos, o primeiro emprego e por aí vai.

Por esse motivo, o audiovisual é uma ferramenta de luta, reflexão e conscientização. Uma das melhores maneiras de assimilar, internalizar e transformar as mazelas do mundo. Sendo assim, preparamos abaixo uma lista com sete filmes desta década que tratam da temática. Aproveite este dia da Consciência Negra para assisti-los, mas aproveite também os demais dias que virão para se transformar e transformar o seu entorno.

Confira a lista abaixo:

BlacKkKlansman – Infiltrado no Klan (2018)

Em 1978, Ron Stallworth (John David Washington), um policial negro do Colorado, conseguiu se infiltrar na Ku Klux Klan local. Ele se comunicava com os outros membros do grupo através de telefonemas e cartas, quando precisava estar fisicamente presente enviava um outro policial branco no seu lugar. Depois de meses de investigação, Ron se tornou o líder da seita, sendo responsável por sabotar uma série de linchamentos e outros crimes de ódio orquestrados pelos racistas.

Direção: Spike Lee

If Beale Street Could Talk (2019)

Baseado no célebre romance de James Baldwin, o filme acompanha Tish (Kiki Layne), uma grávida do Harlem, que luta para livrar seu marido de uma acusação criminal injusta e de subtextos racistas a tempo de tê-lo em casa para o nascimento de seu bebê.

Direção: Barry Jenkins

Bem-vindo a Marly Gomont (2016)

Direção: Julien Rambaldi

12 anos de escravidão (2014)

1841. Solomon Northup (Chiwetel Ejiofor) é um escravo liberto, que vive em paz ao lado da esposa e filhos. Um dia, após aceitar um trabalho que o leva a outra cidade, ele é sequestrado e acorrentado. Vendido como se fosse um escravo, Solomon precisa superar humilhações físicas e emocionais para sobreviver. Ao longo de doze anos ele passa por dois senhores, Ford (Benedict Cumberbatch) e Edwin Epps (Michael Fassbender), que, cada um à sua maneira, exploram seus serviços.

Direção: Steve McQueen

Mudbound: Lágrimas sobre o Mississippi (2018)

Após se casar, Laura (Carey Mulligan) é levada pelo marido para viver em uma terra chuvosa no Mississippi. Lá, ela enfrenta dificuldades para se adaptar à vida rural e é confrontada com uma família negra, os Jackson, responsáveis por ajudar no trabalho pesado. Duas posições muito distintas se desenham na família: enquanto o pai idoso de Henry, Poppy McAllan (Jonathan Banks), luta para manter os privilégios dos brancos no terreno, o irmão de Henry, Jamie McAllan (Garrett Hedlund), desenvolve uma boa amizade com o filho dos caseiros, Ronsell Jackson (Jason Mitchell), pelo fato de ambos compartilharem traumas da guerra. Um violento conflito de etnias, gêneros e classes sociais marca a convivência.

Direção: Dee Rees

Corra! (2017)

Chris (Daniel Kaluuya) é jovem negro que está prestes a conhecer a família de sua namorada caucasiana Rose (Allison Williams). A princípio, ele acredita que o comportamento excessivamente amoroso por parte da família dela é uma tentativa de lidar com o relacionamento de Rose com um rapaz negro, mas, com o tempo, Chris percebe que a família esconde algo muito mais perturbador.

Direção: Jordan Peele

O Nó do Diabo (2018)

Há dois séculos, no período da escravidão, uma fazenda canavieira era palco de horrores. Anos depois, o passado cruel permanece marcado nas paredes do local, mesmo que ninguém perceba. Eventos estranhos começam a se desenvolver e a morte torna-se evidente. Cinco contos de horror ilustram a narrativa.

Direção: Ramon Porto Mota, Gabriel Martins, Ian Abé, Jhesus Tribuzi