Em distopia, Jorge Ben Jor lidera revolta contra o autoritarismo, leia:

Você consegue imaginar uma distopia no Brasil, onde a Covid-19 auxiliou no processo do crescimento de um governo autoritário? A gente sim.

Na verdade, nós, brasileiros, já estamos vivendo em uma louca distopia que nem os mais criativos dos escritores e escritoras poderia descrever, afinal de contas, estamos vivendo em uma grande narrativa nada verossímil.

Pois bem, agora junte o cenário do Brasil atual, adicione 12 anos, um governo totalitário, o resultado de uma pandemia que matou inúmeros pobres e negros e um líder revolucionário na figura de Jorge Ben Jor.

Esse é o cenário do conto escrito por Dodô Azevedo na Folha de São Paulo, Adúmáadán,  título que em yorubá, língua nígero-congolesa, significa negro e lindo.

Para ler o conto, clique aqui.