Melhores do ano: os 10 melhores álbuns internacionais de 2018

The Breeders – All Nerve

The Breeders retornou em 2018 com um álbum que traz de volta a banda e a essência do que originou o grupo.

Courtney Barnett – Tell me how you really feel

Courtney Barnett lançou o seu segundo álbum com a difícil tarefa de estar a altura do seu álbum de lançamento, mas a música não só esteve a altura do primeiro, quanto demonstrou ainda mais sua qualidade e criatividade.

Florence + The Machine – High as Hope

É unanime! Florence + The Machine arrancou o melhor da crítica em 2018, incluindo suspiros aliviados e de agradecimento por uma obra tão genial. High ah Hope é um trabalho fenomenal.

Boygenius 

Boygenius é um grupo indie formado pelas instrumentistas Julien Baker, Phoebe Bridgers e Lucy Dacus, que colocaram em um álbum conciso uma mistura fantástica de belos vocais, instrumental impecável um excelente conjunto de efeitos.

Young The Giant – Mirror Master 

O quarto álbum da banda traz um grupo focado e maduro, mantendo a qualidade dos álbuns anteriores, mas arriscando sair um pouco mais de sua zona de conforto.

The 1975 – A Brief Inquiry into Online Relationships

Em uma potente mistura de elementos e referências, o grupo apresenta um dos melhores álbuns britânicos dos últimos anos.

30 Seconds to Mars – America

O 30  Seconds to Mars se supera em America tanto no que diz respeito ao musical, quanto à comunicação. America é literalmente mídia musical.

Janelle Monae – Dirty Computer

Em Dirty Computer, Janelle Monae é gigante, a versatilidade em pessoa, voz e instrumental em cada um de suas faixas.

Mitski – Be The Cowboy

Mitski traz em seu quinto álbum músicas curtas, que compilam um total de 30 minutos de conteúdo. A obra vai de baladas simples ao rock super alternativo.

Rosalía – El Mal Querer

Rosalía propõe em seu segundo álbum uma espécie de revolução flamenca. Ouvir El Mal Querer é como estar em uma trilha sonora fantástica, o álbum é mais do que e um álbum, é um conjunto de elementos que colocam Rosalía no topo da crítica especializada contemporânea.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.